Fale conosco pelo WhatsApp

Artrodese do tornozelo

Imagem meramente ilustrativa (Banco de imagens: Shutterstock)

Procedimentos são indicados para casos graves de artrose. A artrodese visa a fusão da articulação doente. Saiba mais

A artrodese do tornozelo é um procedimento cirúrgico que visa fundir a articulação que liga o osso do pé (tálus) ao osso da perna (tíbia). É indicada para pacientes com artrose (também chamada de osteoartrose) grave no tornozelo.

O tornozelo é composto pela união dos ossos da perna (tíbia e fíbula) e o osso do tálus, localizado no pé, formando uma articulação que permite a flexão plantar e a flexão dorsal do pé — que são os movimentos de apontar a ponta do pé para cima ou para baixo.

Esta articulação é responsável por permitir a manutenção do equilíbrio em terrenos irregulares, possibilitando movimentos como caminhar, correr, agachar e pular. O tornozelo também absorve o impacto do corpo contra o solo, estimulando a ação muscular e trabalhando em conjunto com as demais articulações do organismo.

Quando ocorre um desgaste na cartilagem do tornozelo, tem-se a chamada artrose no tornozelo. Trata-se de uma doença degenerativa, progressiva e que pode se tornar incapacitante, por causar dor intensa e perda do movimento. Nesse caso, um dos possíveis tratamentos é a artrodese do tornozelo.

A artrodese do tornozelo tem sido usada há muitas décadas, sendo um procedimento bem estabelecido para promover alívio da dor e estabilidade articular. Porém, o procedimento impede a mobilidade da articulação, ou seja, os movimentos de flexão e extensão do pé deixam de ser realizados.

Quando a artrodese do tornozelo é indicada?

A artrodese do tornozelo, como dito anteriormente, torna a articulação da região rígida, ou seja, sem movimento, sendo essa uma das principais desvantagens do procedimento. Por isso, é indicada apenas para os casos muito avançados de artrose do tornozelo, quando o tratamento conservador ou outros procedimentos não trouxeram resultados.

Algumas das principais causas de artrose do tornozelo, podendo levar a necessidade de realização da artrodese do tornozelo incluem:

  • Sequelas após traumas graves do tornozelo;
  • Instabilidade crônica da articulação causada por lesões ligamentares;
  • Doenças que causam danos articulares, como artrite reumatoide, hemofilia ou gota

Como é realizada a artrodese do tornozelo?

A artrodese do tornozelo consiste na fixação dos ossos do pé e da perna entre si, retirando-se a cartilagem doente. O procedimento pode ser realizado apenas com parafusos, parafusos e placa ou através de uma haste colocada dentro do osso. O período total de recuperação varia entre quatro e seis meses. O paciente deve permanecer cerca de 2 a 3 semanas sem apoiar o pé no chão após o procedimento, e cerca de 6 semanas com uma bota imobilizadora.

Artrodese do tornozelo ou artroplastia total do tornozelo?

Com os avanços nos procedimentos cirúrgicos, a artrodese do tornozelo vem dando espaço a procedimentos como a artroplastia total do tornozelo.

Nessa técnica, a articulação do tornozelo é totalmente substituída por uma prótese metálica, restaurando assim a capacidade funcional da articulação, e o melhor de tudo, mantendo sua mobilidade.

Quando as próteses começaram a ser utilizadas na década de 1970 não se possuía a tecnologia disponível nos dias de hoje. Dessa forma, as próteses falhavam precocemente e não traziam os resultados esperados. Porém, a partir dos anos 1990, elas vêm apresentando resultados cada vez mais satisfatórios, sendo atualmente um dos tratamentos mais indicados para quem sofre de artrose severa na articulação do tornozelo.

Tanto a artroplastia total quanto a artrodese do tornozelo são tratamentos bem estabelecidos, utilizados em pacientes com artrose grave no tornozelo.

Vantagens e desvantagens da artroplastia e da artrodese do tornozelo?

Artroplastia total do tornozelo

A substituição da articulação com uma prótese metálica tem como principal vantagem manter a mobilidade do tornozelo, além de promover o alívio das dores, devolvendo qualidade de vida ao paciente, bem como maior estabilidade.

A desvantagem desse procedimento é que a prótese sofre desgaste com o tempo de uso. Quando isso ocorre, um novo procedimento deve ser realizado para troca da prótese ou para conversão para uma artrodese do tornozelo.

Os estudos científicos indicam que após 9 anos, cerca de 85% das próteses realizadas ainda estão preservadas e funcionantes. Os outros 15% necessitaram de revisão durante esses 9 anos.

Após esse período ainda não se tem dados científicos precisos, uma vez que as próteses de tornozelo mais modernas não existem há tanto tempo. O paciente que opta por esse procedimento deve ter em mente que não poderá realizar nenhuma atividade que acelere o desgaste da prótese e prejudique sua durabilidade, como é o caso de atividades de impacto, como corrida ou futebol.

Por esse motivo, a artroplastia de tornozelo idealmente não é realizada em pacientes extremamente jovens, uma vez que esse perfil de paciente tende a promover um maior desgaste da prótese e necessitar de um maior número de revisões ao longo da vida.

Outra desvantagem da artroplastia total do tornozelo refere-se a sua alta complexidade. Por esse motivo, há poucos ortopedistas aptos a realizar esse tipo de procedimento com a precisão e segurança necessária.

Artrodese do tornozelo

Esse procedimento também traz o alívio da dor e melhora da estabilidade, mas faz com que o tornozelo se torne rígido. Por esse motivo, o paciente pode apresentar dificuldades de marcha em algumas situações, principalmente em rampas e escadas. Por outro lado, a artrodese do tornozelo na maioria das vezes não exige cirurgias complementares, ou seja, ela é realizada uma única vez. Atividades físicas de impacto são permitidas, desde que sem exageros.

Os dois tratamentos são extremamente eficazes no alívio da dor e trazem resultados excelentes, reduzindo a dor e devolvendo a qualidade de vida ao paciente. A escolha pelo procedimento mais adequado é individualizada. Entender o estilo de vida e quais as expectativas do paciente é fundamental para decidir qual o mais indicado para cada caso. Não existe um procedimento que seja invariavelmente melhor que o outro, tudo dependerá do perfil de cada paciente.

A necessidade de realizar uma artrodese do tornozelo deve ser sempre avaliada por um ortopedista especializado. O Dr. Guilherme Honda é médico ortopedista especialista em pé e tornozelo, com ampla experiência tanto em artroplastias quanto artrodeses do tornozelo. Não deixe de consultá-lo caso você venha sofrendo de dores ou outros incômodos nessa região.

 

Fontes:

Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia

Dr. Guilherme Honda

Revista Brasileira de Ortopedia

Como podemos te ajudar?

Nossa devoção se mostra no atendimento integral que prestamos aos nossos pacientes. Todos nós do consultório Dr. Guilherme Honda Saito estamos comprometidos com nossa missão: ajudá-lo a ter uma vida mais saudável.